C   redit
Eu nunca tive um porto-seguro. Tipo, alguém pra quem eu pudesse ligar às três da manhã porque fiquei acordado na cama e cheguei a conclusão que tava tudo ferrado e eu sem noção do quê fazer, alguém que fosse me socorrer sem nem perguntar o quê aconteceu ou que me entendesse só de me olhar nos olhos. Queria um, eu acho.
Vinícius Kretek, VK.  
Eu tenho um milhão de motivos pra fugir de pensar em você, mas em todos esses lugares você vai comigo. Você segura na minha mão na hora de atravessar a rua, você me olha triste quando eu olho para o celular pela milésima vez, você sente orgulho de mim quando eu solto uma gargalhada e você vira o rosto se algum homem vem falar comigo. Você prefere não ver, mas eu vejo você o tempo todo.
Tati Bernardi.
Não quis começar esse texto como tantos outros. Não quero falar sobre ele, nem sobre mim. Não quero discutir as causas sujas do porquê de o mundo estar como está. Não quero inventar uma história bonita sobre dois casais que só existem devido ao meu desejo de ser o par de quem desenho nas palavras. Mas hoje, amigo, hoje o dia está lindo. E o que meu querer tem pra combater a tudo isso? Não posso ignorar o fato de que toda essa beleza leva meus pensamentos flutuantes até a imagem dele fazendo uso de suas mãos para me fazer sentir carinho, por mais que a minha vontade seja de apagar essas memórias. A minha casa estava tão vazia. O sol cegava todos lá fora, e eu não conseguia ver brilho algum. Sempre saía na rua e estava bem: bem cansada, bem triste, bem ruim. O mar não era azul como em todos os desenhos e até isso me chateava. Porque as mentiras me gastaram, e tudo estava cinza. E a presença dele não fez com que tudo isso mudasse. Foi ao contrário, na verdade. Porque tudo ficou ainda pior. Eram dúvidas e mais dúvidas. Não era amor, não era paixão, mas era mais do que gostar. Não era inverno, não era verão, mas era mais do que outono ou primavera. Não era chegada, não era partida, mas era mais do que um “fica, por favor”. E com tudo isso, eu enlouquecia - e continuo enlouquecendo. Esse meu querer a ele me esmaga a vontade de estar longe. Essa minha inutilidade me impede de não ouvir as músicas que ele disse gostar. E sou eu mesma a me chatear. Porque o quero muito, mas não sei se isso é o suficiente. Não sei se o meu amor é capaz de preencher a metade vazia do peito que nele habita. Não sei se a minha dedicação e o meu esforço serão válidos. A verdade é que eu não sei de nada, e o nada me assusta. O cinza das paredes da casa, assim como o que está impregnado nas minhas paredes internas, me trás calma e ao mesmo tempo me deixa conturbada. Sem ele me sinto pó, mas com ele me sinto lixo. É triste ter duas opções e ambas serem desoladoras. O dia está lindo, os passarinhos cantarolam nos topos das arvores e o sol brilha com todo o seu poder e astúcia de ser a estrela principal, mas o mundo ainda continua feio e monótono pra mim. Sem ele tudo é morto, mas com ele tudo é tão vivo que me dá náuseas. Eu me acostumei com o meu meio termo e não se lidar com as extremidades que ele possui. O corpo presente dele causa o caos, mas ele em pesamento causa enxaqueca e indisposição diária. A minha vontade era de arremessá-lo pra longe, onde o meu desejo e o meu orgulho quebrado não pudessem alcançá-lo. O mal é que os meus sentidos perdem a força e esquecem de funções simples como, por exemplo, respirar. E tudo fica cinzo e monótono e vazio e cheio de coisas ocas outra vez. Eu não queria acabar esse texto como tantos outros. Não queria terminar falando o quanto me amo por transparecer ser segura e centrada ou o quanto eu o amo por me fazer não precisar parecer ser segura e centrada o tempo inteiro. Perdoe-me, é em vão conter as palavras. Isso não era pra ser sobre ele, tampouco era pra ser sobre mim ou sobre o mundo. Acabou sendo sobre tudo.
Capitule e Casebre 
Se não for hoje, um dia será. Algumas coisas, por mais impossíveis e malucas que pareçam, a gente sabe, bem no fundo, que foram feitas para um dia dar certo.
Caio Fernando Abreu.  
Eu não sei o que você quer de mim. Porque se você disser que vive melhor sem mim, eu vou embora no mesmo segundo. Mas se você disser que somos melhor juntos, eu me mudo hoje mesmo pra sua casa. Mas você não se decide. Empatar minha vida se tornou seu esporte favorito.
Nicholas Sparks   
Caiu finalmente a minha ficha do quanto você é, tão e somente, um cara burro. E do quanto você jamais vai encontrar uma mulher que nem eu nesses lugares deprê em que procura. E do quanto a sua felicidade sem mim deve ser pouca pra você viver reafirmando o quanto é feliz sem mim e principalmente viver reafirmando isso pra mim.
Tati Bernardi.  
Você me olhou e sorriu e, meu Deus, que tipo de sorriso é esse: que tira o fôlego, dá nó na garganta, acelera o coração e faz as pernas tremerem? Que tipo de sorriso pára o mundo e faz o meu mundo inteirinho girar em torno de uma única pessoa? Aliás, pode um sorriso ser a casa de alguém? Porque, meu bem, eu juro que moraria no teu até o fim da vida.
Plenitude.
Eu quero que você sinta uma baita saudade de mim. Mas daquelas lá, bem filha-da-puta que tira o sono e tudo mais.
I don’t care… Not more.  
Não mereço uma pessoa que não sabe o que quer. Mereço certezas. Mereço que seja recíproco. Não quero alguém que me bajule o tempo todo. Não precisa abrir porta de carro, oferecer diamantes, pagar o jantar. Só precisa ser sincero. E real. E, principalmente, se entregar por inteiro. Porque não estou aqui para receber metade de nada.
— Clarissa Corrêa.
E eu quero que você venha cuidar de mim. Quero acordar e assim que abrir os olhos, ver você. Perceber o quanto sou feliz por ter você. Quero que me beije devagar, me segurando com força, e dizendo que ficaria assim até não poder mais. Quero uma vida leve e serena com você. Uma casa só nossa, um filme no frio, e até um cachorro. Quero que você me faça a pessoa mais feliz do mundo, pois eu também te farei se sentir do mesmo jeito. Quero bagunça na cozinha, a gente tentando preparar alguma coisa, e acabando no chão. Quero você, as coisas simples. Então fica. Quero viver esse amor, quero viver nessa vida.
Cabana dos Sonhos. 
Quero que fique aqui, mas se tiver que ir tudo bem também. Não se importe se vai causar um estrago. Eu sei que tentou ficar. Se não tentou, teve uma breve vontade. Sei que aí dentro anda tão confuso também quanto aqui. Pode ir, eu vou te guardar com carinho como fiz com todos os outros que chegaram e vão chegar. Boa sorte na sua jornada. Espero que encontre tudo o que procura. Eu também estou nessa jornada. Me deseje sorte, por favor.
— Os porquês de Amélia Roswell.
Ok, não é pra tanto, mas você me conhece, eu exagero até nas vírgulas.
Soulstripper.
Eu nunca vou entender porque a gente continua voltando pra casa querendo ser de alguém, ainda que a gente esteja um ao lado do outro. Eu nunca vou entender porque você é exatamente o que eu quero, eu sou exatamente o que você quer, mas as nossas exatidões não funcionam numa conta de mais… Mas aí, daqui uns dias…. você vai me ligar. Querendo tomar aquele café de sempre, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer. Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com a nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo.
Tati Bernardi.